História da Cidade

             
             Ao chegar a terra, conhecida pelos índios por Gohayó (terra de boa acolhida), em 22 de janeiro de 1502, Américo Vespúcio nomeia o lugar como São Vicente, em homenagem ao Santo do dia, em Portugal – São Vicente Mártir.

 

              O Bacharel, Mestre Cosme e Fernandes, deixado em Cananéia, para cumprir a missão chega em São Vicente em 1510, onde funda o povoado e monta seu estaleiro, no Japuí, para a construção de pequenos barcos. Mais tarde, com a ajuda de Gonçalo da Costa, o Bacharel constrói uma “casa de pedra” com uma torre para evitar os ataques de tribos indígenas rivais. Nessa época, o tráfico de escravos índios já é praticado no povoado e liderado por Cosme Fernandes, através de seu estaleiro, e ali começou a desenvolver um povoado.

 

   
                            Imagem: Fundação da Vila de São Vicente – Benedito Calixto

 

         Em 1532, Martim Afonso chega a S. Vicente, enviado pelo Rei D.João III para colonizar as terras que encontrasse, mas ao chegar, encontrou um povoado já existente, com 12 casas e coube a ele apenas a elevação deste povoado à categoria de Vila. Para isso, bastou construir uma Igreja, um Fortim, Casa do Conselho, Pelourinho e a Primeira Câmara das Américas.

 

              A Vila sofreu diversos ataques indígenas, principalmente dos índios tamoios que quase dizimaram todo o povoado, o desenvolvimento do local só melhorou após a intervenção de João Ramalho e seu sogro, Tibiriça, cacique dos indígenas tupiniquins. A partir daí, Martim Afonso pode organizar melhor a colônia, isso tudo conduzido pelo próprio João Ramalho. Martim Afonso voltou para Portugal em 1533, deixando o Padre Gonçalo Monteiro tomando conta do local com a orientação de Ana Pimentel (esposa de Martim).
              O segundo desastre, foi o ataque do corsário espanhol, Ruy Moschera, enfrentou o Padre Gonçalo e saqueou todos os portos, armazéns e fugiu para o Sul.

 

              Pouco depois, por volta de 1542, novo desastre se abate sobre os vicentinos. O mar avança, devora a praia e sepulta a Igreja Matriz, a Casa do Conselho, a cadeia, os estaleiros e inúmeras residências. Mais tarde a Vila é reconstruída, com a ajuda do povo.

 

              Em 25 de dezembro de 1591, o pirata inglês, Thomas Cavendish, chegava a Santos, com a incumbência de saquear o porto e os armazéns. Ao passarem por São Vicente, aportaram e friamente puseram fogo no povoado, rumando depois para o sul. Mas um temporal os surpreende no caminho, obrigando-os a regressarem para a baía. Tentam atacar novamente o porto e arrebatar as pessoas que ali existiam, porém a população os enfrenta e os piratas são derrotados.

 

              São Vicente, através dos séculos resistiu a todas as dificuldades que estão registradas em sua história. Hoje a cidade possui o seu passado registrado em monumentos, lugares históricos, além de suas belezas naturais que fazem da 1ª Vila do Brasil, um ponto interessante para a visitação.